90% das empresas pretendem investir em IA

Quase 90% das empresas têm como objetivo investir em inteligência artificial

A IFS anuncia os resultados de um estudo global sobre atitudes e estratégias relacionadas à inteligência artificial (IA) entre líderes de negócios. O estudo foi baseado em entrevista com 600 líderes de negócios em todo o mundo e um amplo espectro de indústrias envolvidas com suas empresas de tecnologia corporativa, incluindo softwares de gestão empresarial (ERP), gerenciamento de ativos corporativos (EAM) e gerenciamento de serviços de campo (FSM).

Conclusões chaves:

  • Cerca de 90% dos entrevistados relataram haver pelo menos alguns planos para implementar a IA em várias partes de seus negócios. A automação industrial foi a área de investimento mais comum relatada, com 44,6% de planejamento de projetos de IA, enquanto o gerenciamento de relacionamento com o cliente (CRM) e o planejamento e logística do estoque ficaram em segundo lugar, com 38,9%.
  • Quando perguntados como planejam usar a IA, 60,6% disseram que esperam que isso os ajudasse a tornar os funcionários existentes mais produtivos. Pouco menos da metade, 47,9%, disseram que usariam a IA para agregar valor aos produtos e serviços que vendem aos clientes. Cerca de 18,1% disseram que o usariam proativamente para substituir os trabalhadores existentes.
  • Embora a maioria dos entrevistados tenha previsto aumento de produtividade com a IA, 29,3% prevê que IA levará a uma redução no número de funcionários em sua indústria. Para gerenciar isso, 56% dos entrevistados afirmaram que a sociedade poderia se preparar melhor alterando os programas educacionais para preparar os trabalhadores para fazer uso direto das ferramentas de IA para aumentar sua própria produtividade. Outros 23,4% disseram esperar que o mercado crie novos empregos para as pessoas dispensadas pela IA, enquanto 15,4% sugeriram reduzir a semana de trabalho para 30 horas.

“A IA não é mais uma tecnologia emergente. Ela está sendo implementada para oferecer suporte à automação comercial aqui e agora, como este estudo prova claramente”, afirmou o VP de IA e RPA da IFS, Bob de Caux. “Estamos vendo muitos exemplos do mundo real em que a tecnologia está aprimorando os processos de tomada de decisão existentes, fornecendo aos usuários informações mais oportunas, precisas e pertinentes. Na economia disruptiva de hoje, a convergência de tecnologias como IA, RPA (Processo de Automação Robótica) e IoT está impulsionando uma nova forma de automação comercial, que fornecerá às empresas que são corajosas o suficiente as ferramentas e os serviços necessários para serem mais competitivas e superam os concorrentes que são maiores.”

Uma empresa que foi pioneira na adoção de soluções de automação industrial e que faz uso da robótica para transformar sua estratégia de negócios, e por isso está assumindo a liderança é a norte-americana de manufatura de embalagens Cheer Pack, que implantou uma frota de veículos autônomos comandados por uma IA para robotizar os movimentos de materiais em sua fábrica nos EUA e já vem tendo fortes retornos sobre o investimento.

O diretor de TI da Cheer Pack, Alex Ivkovic, observou: “Nossa expectativa é que a economia de custos seja superior a US$ 1,5 milhão por ano. Além disso, todo e qualquer funcionário será redirecionado para uma posição mais qualificada, ajudando-nos com a nossa escassez de mão-de-obra.”
Bob De Caux concluiu: “Os resultados do estudo e os cenários do mundo real percebidos por nossos clientes apontam para a conclusão de que é o momento certo para as empresas colherem benefícios de negócios e financeiros com a automação da tecnologia. Apaixonar-se pela IA é fácil, mas o sucesso requer ações disruptivas junto aos modelos de negócios existentes. As próprias tecnologias não são uma solução milagrosa, nem são uma solução universal para qualquer problema. No entanto, com o modelo de dados correto e casos de uso viáveis, a IA pode oferecer suporte à produtividade aprimorada e oferece benefícios significativos tanto para as operações quanto para os negócios em geral. A IA será usada pela grande maioria das organizações de alguma forma em um futuro próximo, extraindo valor real de processos inteligentes, por um longo prazo.”

Fonte: TI Inside

Democratização da tecnologia

A democratização da tecnologia

A onipresença da tecnologia nas sociedades mais avançadas do mundo é impressionante. Aliás, estamos tão mergulhados nela, que na verdade nem pensamos mais nela como sendo tão extraordinária assim, desde que funcione. E nada nos enfurece mais do que a tecnologia não funcionar – o que é raro. Ela se tornou tamanha parte da vida que não imaginamos mais a vida sem tecnologia.

Com o recente escrutínio de companhias como Facebook, Google e outras em relação a como nossas informações pessoais são protegidas, talvez até tenhamos breves momentos de hesitação, mas, em poucos segundos, fazemos as pazes com a tecnologia.

As tecnologias que fazem os negócios terem um desempenho melhor são igualmente impressionantes, pois tornam muito mais coisas acessíveis para nós do que nunca. Precisa de uma carona para algum lugar e não quer se preocupar com um carro? Uma viagem compartilhada está a minutos de distância, com o tipo de confiabilidade que nos dá uma sensação ainda maior de sermos donos de nossos direitos. Se você tiver algum problema com o serviço de carona, e aqui o “se” é grande, até isso é resolvido pelo telefone, quase sempre sem precisar falar com um ser humano. Sem falha.

Um novo ambiente de negócios

Estamos presenciando o início de uma era em que a tecnologia não só torna a vida de consumidores e gamers uma maravilha, mas também faz as empresas que proveem as coisas que compramos operarem com muito mais efetividade e lucratividade.

Não haveria momento melhor para isso acontecer. Companhias como Uber, Amazon e outras, agora chamadas de “empresas nativas digitais”, mudaram nossas expectativas em todas as áreas. Se você não tiver as vantagens tecnológicas das nativas digitais, boa sorte para concorrer com elas. Você será o que agora é conhecido como “empresa legada”.

Se continuar sendo uma empresa legada, seus dias estão contados. O tempo está correndo e, a cada segundo que passa, uma empresa nativa digital ocupa seu espaço se você não estiver proporcionando a sua empresa o tipo de brilhantismo digital que a tecnologia propicia.

Veja também: Inteligência artificial avança e facilita progresso em empresas, indústrias e escolas

Ainda assim, mesmo com todos os sistemas integrados de gestão empresarial (ERP, na sigla em inglês) já implantados, as empresas legadas hoje empregam milhões de pessoas sentadas lado a lado, fileira atrás de fileira, realizando manualmente processos empresariais antiquados, com incursões desesperadas para ficarem mais parecidas com as empresas nativas digitais.

A promessa da tecnologia

Os saltos de inovação tecnológica em áreas como IA, computação na nuvem e robótica de software são poderosos fatores democratizantes nos negócios, permitindo que as empresas escalem os processos mais rápido do que nunca e reduzindo barreiras como infraestrutura ou custo.

Hoje, com chatbots e recomendações inteligentes habilitadas por IA, mesmo startups enxutas podem oferecer experiências personalizadas e atendimento excepcional ao cliente para construir relacionamentos mais profundos com seus clientes.

No entanto, o poder da tecnologia vai muito além de como as empresas atraem usuários e os mantêm satisfeitos. O que é mais empolgante para mim é a total transformação de como os humanos trabalham.

A proliferação do smartphone e a ascensão da nuvem engatilharam o “Futuro do Trabalho”, desamarrando os seres humanos de suas mesas e criando novos níveis de flexibilidade de trabalho. Agora, bots de software estão trazendo o “Futuro do Trabalho 2.0”, uma era em que os trabalhadores humanos são liberados das linhas de montagem do escritório administrativo – não mais condenados a trabalhos que não exigem imaginação e não dão nenhum sentimento de realização ou propósito real.

Esta é a verdadeira promessa da tecnologia: de que libertar a humanidade é o bem maior da tecnologia e de que nosso mundo se torne um lugar onde as pessoas não sejam condenadas a serem robôs.

Pense assim: o envelhecimento da força de trabalho no Japão e na maioria dos países europeus está forçando as organizações a reavaliar o valor de seus empregados. Muitos acreditam que o impacto do envelhecimento da força de trabalho nos EUA recairá sobre nós nos próximos dois ou três anos.

Quando cada trabalhador é importante, como líder empresarial você precisa decidir onde deve estar o foco de seu pessoal. Esse foco será no que os seres humanos fazem melhor – criatividade, colaboração, direcionar o que aparentemente é intangível para a solução de nossos desafios mais difíceis?

Rompendo as antigas amarras

E então, está pronto para evoluir? Automatizar processos empresariais que já podem ser automatizados deve ser seu maior objetivo. O primeiro passo é verificar a situação de sua transformação digital e o quanto muitos de seus processos corporativos estão baseados em tecnologia legada. A maioria das empresas não está nem perto de onde acha que está nessa jornada. Como seus funcionários estão usando (ou desperdiçando) o tempo? Quais são seus principais pontos fracos?

A transição não ocorrerá da noite para o dia, e tudo bem fazer a mudança gradativamente. Considere começar com um projeto piloto, como automatizar um pequeno número de processos de folha de pagamento ou testar um novo sistema de CRM.

A tecnologia também é um ótimo equalizador quando se trata da experiência e da expertise de “especialistas”. A hierarquia pode ser inimiga do progresso. Abrace a cultura de inovação e estimule colaboradores de todos os níveis a apresentar novos processos e ideias.

Quando a tecnologia é criada por pessoas, para pessoas, seu maior propósito não é apenas melhorar o desempenho do negócio. Ela precisa melhorar a vida das pessoas. Precisa ajudar a criar um mundo no qual as pessoas prosperem. No qual o intelecto humano voe. No qual a capacidade humana de fazer o espetacular se torne mais possível do que em qualquer outra época da história.

Este deve ser o estado democrático da tecnologia.

Por Mihir Shukla, CEO e cofundador da Automation Anywhere

Fonte: TI Inside

pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese