COVID 19: a recuperação será digital

A recuperação do COVID-19 será digital: um plano para os primeiros 90 dias

A rápida migração para as tecnologias digitais impulsionada pela pandemia continuará na recuperação. Veja como acelerar os recursos digitais da sua organização para acompanhar o ritmo.

Para muitas empresas, os clientes já migraram para o digital. Os funcionários já estão trabalhando totalmente remotos. As empresas já lançaram iniciativas de análise e inteligência artificial (IA) em suas operações. As equipes de TI já apresentaram um ritmo que nunca tiveram antes. Porém, para a maioria das empresas, as alterações feitas até o momento representam apenas a primeira fase das mudanças necessárias.

A consultoria global Mckinsey elaborou uma agenda que se concentra em quatro esforços: reorientar e acelerar os investimentos digitais em resposta à evolução das necessidades dos clientes, usar novos dados e IA para melhorar as operações de negócios, modernizar seletivamente os recursos tecnológicos para aumentar a velocidade do desenvolvimento e aumentar a agilidade organizacional para oferecer mais rapidamente. Para cada um, foi esboçado um plano prático de 90 dias, veja a seguir:

1. REORIENTAR OS ESFORÇOS DIGITAIS PARA MUDAR AS EXPECTATIVAS DOS CLIENTES

Muitas empresas estão acelerando suas mudanças em direção aos primeiros modelos digitais – em alta velocidade. Mas não se trata apenas de digitalizar. As empresas também devem reimaginar as jornadas dos clientes para reduzir o atrito, acelerar a mudança para canais digitais e oferecer novos requisitos de segurança.

Nos próximos 90 dias. Os CEOs devem pedir aos líderes de negócios que avaliem como as necessidades e comportamentos de seus clientes mais importantes mudaram e comparem seus canais digitais com os de seus concorrentes. Essas informações devem formar a base de uma agenda digital renovada que não deve demorar mais de 30 dias para ser estabelecida.

Os diretores digitais e os diretores de informação (CIOs) podem rapidamente levantar (ou reorientar) as equipes ágeis para executar as prioridades mais urgentes. Medir continuamente o desempenho do canal digital durante os 90 dias será fundamental para que as empresas possam se adaptar rapidamente à medida que aprendem mais. Considere a possibilidade de criar um fórum semanal para os líderes seniores de negócios e tecnologia para processar os aprendizados recebidos e conduzir a agenda completa em ritmo e de forma coordenada.

2. USE NOVOS DADOS E INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL PARA MELHORAR AS OPERAÇÕES DE NEGÓCIOS

As empresas modernas possuem vários modelos de previsão e planejamento para orientar as decisões operacionais. Esses modelos precisam ser validados ou até mesmo substituídos por conta das enormes mudanças econômicas e estruturais causadas pela pandemia. Por exemplo, modelos que usam dados de séries temporais, preço do petróleo ou desemprego precisarão ser totalmente reconstruídos. Os dados também devem ser reavaliados.

À medida que as empresas constroem esses modelos, as equipes de análise provavelmente precisarão reunir novos conjuntos de dados e usar técnicas avançadas de modelagem para prever a demanda e gerenciar os ativos com sucesso. Um fornecedor de peças automotivas, por exemplo, desenvolveu um modelo de previsão que incorporava dados de terceiros não utilizados anteriormente. O modelo ajudará o fornecedor a identificar possíveis problemas com a capacidade de seus próprios fornecedores de entregar os itens necessários, oferecendo a chance de entrar em contato com seus fornecedores para elaborar a logística ou encontrar outra fonte.

Nos próximos 90 dias. Como primeira etapa, o diretor de análise (ou equivalente) deve mobilizar um esforço para inventariar os principais modelos que suportam operações de negócios e trabalhar com os líderes de negócios para priorizá-los com base em seu impacto nas principais operações e no desvio de eficácia. Essa avaliação é urgente e deve ser concluída o mais rápido possível. Essencialmente, ele definirá um programa de correções rápidas que a equipe de dados e análises poderá realizar, trabalhando lado a lado com os líderes comerciais e funcionais. Depois que a situação se estabilizar, os CEOs e líderes de negócios devem pressionar suas equipes de análise e dados para desenvolver modelos de próxima geração que aproveitem novos conjuntos de dados e técnicas de modelagem mais adequadas para ambientes em rápida mudança. As empresas mais avançadas já estão criando conjuntos de dados sintéticos usando técnicas avançadas de aprendizado de máquina para treinar novos modelos analíticos quando os dados históricos são de pouca utilidade.

Veja também: A continuidade dos negócios em meio à pandemia é viabilizada pela automação

3. MODERNIZAR SELETIVAMENTE OS RECURSOS TECNOLÓGICOS

Os CIOs podem contribuir com o direito de dimensionar a estrutura de custos de TI para novos níveis de demanda e reinvestir os recursos liberados em soluções digitais voltadas para o cliente e em sistemas críticos de suporte a decisões, em primeiro lugar.

Dois recursos de um ambiente de tecnologia moderna são particularmente importantes e podem ser rapidamente implementados: uma plataforma de dados baseada em nuvem e um pipeline de entrega de software automatizado (geralmente chamado de “integração contínua e entrega contínua”). Sem isso, a velocidade de desenvolvimento para e fica atolada em complexidade.

Nos próximos 90 dias. Primeiro, desenvolva o plano para dimensionar e criar uma estrutura de custos mais variável – quanto mais rápido, melhor para liberar recursos para a agenda digital.

No segundo sprint de 30 dias, escolha seus parceiros de nuvem. Embora a velocidade seja essencial, os CIOs devem considerar cuidadosamente as estruturas contratuais oferecidas pelos fornecedores de tecnologia. Lembre-se de lançar esforços internos adequados para treinar e preparar equipes para operar no novo ambiente. A maioria das empresas não terá largura de banda e recursos de gerenciamento para assumir uma modernização em larga escala nos próximos 12 a 18 meses. Ao se concentrarem em configurar ou aprimorar uma plataforma de dados baseada em nuvem e equipar times ágeis com entrega automatizada de software, os CIOs podem duplicar, ou até triplicar, a velocidade de desenvolvimento a curto prazo.

No sprint final, considere recrutar talentos digitais adicionais e acelerar o aumento da qualificação digital de toda a organização. Essas etapas prepararão bem as organizações para uma modernização mais substantiva. Por fim, continue prestando atenção à segurança cibernética. Grande parte do rápido trabalho de TI realizado durante a crise do COVID-19 pode ter criado novas exposições a riscos cibernéticos.

4. AUMENTE A AGILIDADE ORGANIZACIONAL

As empresas que lideraram o caminho na adoção de modelos organizacionais mais simples e totalmente ágeis mostraram melhorias substanciais no ritmo de execução e na produtividade. Isso ocorreu durante a crise, pois vemos uma correlação direta entre a maturidade ágil pré-crise e o tempo que as empresas levaram para lançar um primeiro produto ou serviço relacionado à crise.

O que pode ser feito realisticamente em 90 dias para aumentar o ritmo organizacional? Levantar uma fábrica digital é em grande parte a melhor abordagem no momento, porque pode ser construída e dimensionada em três meses ou menos. Muitas organizações aceleraram e escalaram sua entrega digital estabelecendo essas fábricas internas, com equipes interdisciplinares alinhadas às prioridades digitais das empresas.

O trabalho remoto também pode ajudar as organizações a se movimentarem mais rapidamente, à medida que as empresas exploram novos grupos de trabalho e conhecimento remoto especializado (e, sim, o agile pode ser executado remotamente.) O trabalho remoto também pode permitir novas oportunidades de produtividade.

Nos próximos 90 dias. Durante o primeiro sprint, identifique as áreas de negócios em que a velocidade de execução digital é necessária e mapeie os planos das fábricas digitais para apoiá-las. Paralelamente, avalie onde os modelos de trabalho remoto podem gerar benefícios de produtividade. Essas duas lentes devem definir a tabela para alterações direcionadas ao modelo operacional. No segundo sprint de 30 dias, projete os novos modelos levando em consideração o nível de pessoal, o mix de especialistas, a governança e os procedimentos operacionais. Finalmente, no terceiro mês, implemente e operacionalize os novos designs.

Os líderes que desejam ter sucesso na recuperação digital devem redefinir rapidamente suas agendas digitais para atender às novas necessidades dos clientes, fortalecer seus sistemas de suporte a decisões e ajustar seus modelos organizacionais e legado tecnológico para operar na velocidade mais alta efetiva. É essencial definir essas metas desde o início e medir regularmente o progresso em relação a elas. Atingir a paridade ou melhor nos canais digitais para vencer a corrida da receita, reconstruir os modelos mais críticos de suporte à decisão e dobrar a velocidade de desenvolvimento são objetivos ao seu alcance.

Fonte: Mckinsey

Automação na retomada da pandemia

Continuidade dos negócios em meio à pandemia é viabilizada pela automação

A retomada da economia mundial vem acontecendo lentamente, enquanto isso, ainda em meio à pandemia, empresas do mundo inteiro vêm tentando dar continuidade aos negócios. Não tem sido fácil se reinventar, mas companhias dos mais diversos segmentos de mercado e porte têm redistribuído trabalho e reinventado tanto sua cadeia de suprimentos como o próprio modelo de negócios.

Para conseguir se sobressair nesse cenário imposto pela pandemia, muitas empresas vem apostando em automação. A UiPath, empresa líder mundial em RPA – Robotic Process Automation – observou um aumento significativo da busca por automação por empresas que visam otimizar custos, melhorar a eficiência operacional, mitigar riscos e garantir a continuidade dos negócios.

Automação do Federal Bank

Dentre as empresas que optaram por buscar na automação uma alternativa para encarar o momento, está o Federal Bank, um dos principais bancos do setor privado da Índia, que liberou a maioria dos seus funcionários para o trabalho em modelo home office, por conta da pandemia, mas conseguiu manter os principais processos em execução. O banco já conta com mais de 120 processos automatizados na plataforma UiPath, permitindo que a organização continue fornecendo seus serviços, mesmo durante o bloqueio.

Edgar Garcia, diretor comercial da UiPath, avalia que os sistemas bancários não podem parar e que seria um caos se isso acontecesse, nesse caso a opção por automação foi a melhor saída já que a mão de obra física foi diminuida durante a pandemia.

Garcia destaca que, no Brasil, os bancos também investiram em automação para conseguir suprir o aumento de demanda por crédito ou renegociação de dívidas por exemplo. Mas quando comparamos o grau de automação, o Brasil ainda está no início do processo.

Outras empresas que investiram em automação

Ainda na Índia, a empresa do setor alimentício Gemini Edible Oils investiu em RPA para gerenciar seus contratos e pedidos de vendas, o que possibilitou dar continuidade aos negócios mesmo com desfalque de 70% dos colaboradores trabalhando presencialmente.

Outro exemplo é a empresa de marketing digital Wunderman Thompson MSC que está gerenciando o aumento do volume de comunicação e pedidos de relatórios em tempo real devido ao trabalho remoto com robôs de software.

Já na área da saúde, os robôs de automação têm dado um grande suporte aos trabalhadores da linha de frente, realizando o gerenciamento dos dados de pacientes com a Covid-19.  Além disso, a Plataforma UiPath está ajudando o Departamento de Saúde da Índia a processar dados mais rapidamente, com 100% de precisão, o que agiliza a tomada de decisão por parte do governo, no enfrentamento ao novo coronavírus.

Em conclusão, Garcia avalia que “Muitas companhias, em meio à pandemia, perceberam o valor da automação para conseguirem ingressar no que se tem chamado de ‘novo normal’, mas certamente vão ver na automação a melhor forma de alcançarem a eficiência operacional, diminuírem riscos e terem seus funcionários atuando em posições de fato estratégicas para o negócio seja em um cenário de crise mundial ou não”.

Quer colocar em prática seus projetos de automação? A NextTrends é distribuidora certificada nas soluções UiPath e outras líderes de mercado. Oferecemos desde o mapeamento e diagnóstico até a implementação e gestão de seus robôs. Fale com a gente!

Veja também: O que é Hiperautomação e por que sua empresa precisa prestar atenção nisso?

Fonte: Technotec

pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese