O que é Hiperautomação

O que é Hiperautomação e por que sua empresa precisa prestar atenção nisso?

Por Mário Neto*

A consultoria Gartner publicou no final de 2019 um relatório sobre as tendências tecnológicas para 2020 e, em primeiro lugar, está o termo Hiperautomação (Hyperautomation). Mas o que é Hiperautomação e por que as empresas precisam prestar atenção nisso?

Antes da definição, é preciso entender que o uso da tecnologia deve estar focado nas pessoas (People-Centric), já que a tecnologia impacta diretamente consumidores, empregados, parceiros e, de forma geral, a sociedade. E, por ser centrada em pessoas, a tecnologia deve e pode assumir grande parte das tarefas de trabalho e/ou operacionais. O caminho para isso é a Hiperautomação.

Hiperautomação é a combinação de tecnologias e conhecimentos que as empresas precisam para tornar o processo de trabalho automatizado, totalmente voltado para tornar o modelo do negócio ágil como ele deve ser. O termo engloba as ferramentas, métodos e a própria automação, desde o momento do descobrimento do processo, passando pela análise, design, automação, medição de desempenho, monitoramento e, quando preciso, reavaliação.

Um conjunto híbrido entre ferramentas de automação de processos (RPA), machine learning, inteligência artificial e iBPMS (ferramentas de gerenciamento de processos de negócios inteligentes, como o Enate, por exemplo) permite que o processo de entender e desenvolver automações atenda às reais necessidades do modelo de negócio e traga mais valor e resultado para a empresa.

Veja também: Como a RPA está evoluindo com a IA em cinco etapas

É importante notar que Machine Learning e Inteligência Artificial são essenciais para a Hiperautomação, já que muitas vezes a automação por si só não é capaz de solucionar os problemas durante o processo a ser automatizado, muitas vezes complexos e precisando de adaptação a comportamentos diferenciados.

Ao usar as ferramentas da Hiperautomação a empresa acaba se tornando cada vez mais focada nos modelos e, por isso, é importante que o processo de descobrimento, design e desenvolvimento leve em conta também ferramentas de aprimoramento da qualidade do processo, como, por exemplo, Lean Six Sigma.

O recado do relatório da Gartner é que a Hiperautomação é inevitável e as organizações vão precisar identificar e automatizar todos os possíveis processos de negócio, de forma ágil, usando as ferramentas certas, tornando as operações e processo ágeis para poder competir em um mercado cada vez mais focado em facilitar e entender as pessoas.

*Mário Neto é Data Engineer e especialista em RPA na NextTrends

Clique aqui para ver o artigo publicado originalmente no portal Terra

ebook 10 métricas rpa

NextTrends fecha parceria inédita com Enate para orquestração de trabalho humano e digital

A NextTrends fechou uma parceria inédita com a empresa britânica Enate, que oferece uma plataforma para orquestrar a força de trabalho humana e digital em um só lugar. Com a parceria, a Enate marca sua estreia no mercado brasileiro e vem preencher um gap ocasionado pela evolução exponencial da automação. Confira a matéria publicada pela Revista Exame:

Orquestrar a força de trabalho humana e digital é novo desafio com avanço do RPA

Agilidade, eficiência, redução de custos, produtividade, controle e governança: esses são benefícios já amplamente conhecidos da Automação de Processos Robotizados (RPA na sigla em inglês) que, diariamente, levam organizações ao redor do mundo a transferir seus processos funcionais e cognitivos repetitivos para máquinas. Segundo a consultoria Gartner, a receita de software de RPA cresceu mais de 63% no último ano. Já uma pesquisa do Fórum Econômico Mundial diz que até 2025 os robôs devem estar presentes até mesmo nos conselhos administrativos de grandes empresas. À medida que a automação escala, um novo desafio se apresenta: a necessidade inexorável de gerenciar força de trabalho humana e digital, que podem ser necessárias em diferentes momentos dos processos de negócio.

Para resolver esse desafio, a NextTrends, empresa que atua em projetos de Data Intelligence, BI, Robotização, Inteligência Artificial e Dashboards, acaba de anunciar uma nova parceria com a Enate, empresa global com sede no Reino Unido que oferece uma plataforma de orquestração de serviço independente, projetada para gerenciar a força de trabalho digital e humana em um só lugar. Com a NextTrends, a Enate marca sua estreia no mercado brasileiro.

“Trazer a Enate para o Brasil é um grande passo que estamos dando para atender nossos clientes em suas necessidades mais atuais, oferecendo tecnologia de última geração e confiabilidade, características da Enate reconhecidas mundialmente. Com esta nova solução em nosso portfólio possibilitamos que as empresas escalem seus sistemas automatizados e simplifiquem seus processos de ponta a ponta, não mais de maneira isolada, cobrindo os gaps e incluindo de fato o que elas têm de maior valor: as capacidades humanas”, diz Ricardo Rego, Diretor Executivo da NextTrends.

A plataforma Enate combina funcionalidades como gerenciamento de tickets, gerenciamento de casos, gerenciamento de trabalho e capacidade e recursos de fluxo de trabalho, juntamente com relatórios de desempenho apresentados via dashboards em tempo real. Trata-se de uma plataforma aberta com rápida implementação, na modalidade SaaS (Software como Serviço), que permite introduzir novas tecnologias facilmente. A proposta é transformar negócios em qualquer estágio de automação: força de trabalho humana, híbrida, automação de processos robóticos (RPA), ou usando novas tecnologias como Inteligência Artificial (IA).

“O mercado de tecnologia é extremamente dinâmico e ter essa capacidade de acompanhar as mudanças na velocidade que elas acontecem é o grande diferencial da NextTrends. Estamos muito felizes em tê-la em nosso ecossistema de parceiros, que reúne uma comunidade única com conhecimento e know how do setor. Juntos somamos forças para aproveitar todas as oportunidades que o Brasil oferece”, conclui Jane Youdell, Chefe de Parcerias da Enate.

Veja também: Como o RPA está evoluindo com a IA: em 5 etapas

Fonte: Revista Exame