Microsserviços + RPA: você vai querer pegar este atalho

A expressão “tempo é dinheiro” nunca soou tão verdadeira como agora. Hoje não dá para perder muito tempo para lançar uma aplicação, um produto ou um serviço novo no mercado, a concorrência te engole antes! Mas como ser mais ágil e eficaz? Sabe aquela velha história (não tão velha assim) de fatiar entregas que as metodologias ágeis têm como base? Ela funciona! Os microsserviços seguem mais ou menos essa linha. E podem ser o pulo do gato para a transformação digital da sua empresa, permitindo que você aproveite as novas tendências: Inteligência Artificial, Machine Learning, Robotização de Processos (RPA), entre outras.

Microsserviços são uma abordagem de arquitetura que decompõe uma aplicação por funções básicas. Cada função é chamada de serviço (por isso o nome!) e pode ser criada e implantada de maneira independente. O que isso significa em termos práticos? Significa que cada serviço individual pode funcionar ou falhar sem comprometer os demais. Assim, as aplicações podem ser desenvolvidas, testadas e implantadas mais facilmente. A técnica simplifica a interface com sistemas legados e viabiliza o acesso a dados em tempo real, além de facilitar a integração com empresas parceiras. Este é o atalho!

A arquitetura de microsserviços abrange a ideia de API – Interface de Programação de Aplicativos (nós falamos sobre ela aqui), ideal para habilitar o suporte de um aplicativo para uma diversidade de plataformas, seja na web, no celular ou até em objetos dotados de Inteligência Artificial. E o que isso quer dizer? Que ficou muito mais fácil e acessível (inclusive financeiramente) adotar as mais novas tecnologias para atingir seus objetivos de negócio!

A NextTrends, por exemplo, trabalha com arquitetura de microsserviços para o desenvolvimento de robôs que tornem possível automatizar com inteligência suas consultas a dados e seus processos (RPA). Plug and play – fácil e rápido de integrar com suas soluções e sistemas. A cobrança pode ser feita por chamada a cada API, com um preço que cai conforme o volume.

Ainda não se convenceu? Pense bem, o motorista que recebe um chamado pelo aplicativo não vê sentido em digitar o endereço no assistente de rotas. A opção de check-in pela internet libera viajantes de enfrentar longas filas em aeroportos. Pacientes preferem agendar consultas via web, do que ligar pessoalmente. Enfim, muitas vezes, a automação está nos detalhes e faz todo mundo ganhar tempo. Ainda assim, milhares de profissionais continuam gastando horas com Alt+tab e Crtl+C/Crtl+V, transferindo informações de um sistema a outro ou pesquisando/validando dados cadastrais, por exemplo. Faz sentido?

Quem se estabelecer sobre arquiteturas de nuvem, microsserviços e outros padrões criados para interoperar levará vantagem. É só uma questão de escolha.