O impacto do Covid19 no futuro do trabalho

Novo estudo retrata o impacto do COVID-19 no futuro do trabalho e da Automação

A Forrester Consulting, a pedido da UiPath, avaliou o impacto que a pandemia COVID-19 está tendo no futuro do trabalho e da automação. Para explorar esse tópico, a Forrester conduziu uma pesquisa online com 160 tomadores de decisão de grupos de operações, serviços compartilhados, finanças e outras linhas de negócios da França, Alemanha, Japão, Reino Unido e Estados Unidos.

Trouxemos aqui para você, que está envolvido com a transformação digital em sua empresa ou em sua área, um resumo das descobertas para você entender o cenário atual e se preparar para o futuro. Confira:

5 ANOS EM QUATRO MESES: TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ACELERADA

O mundo viu mais transformação digital nos últimos meses do que nos cinco anos anteriores. A automação inteligente (IA) apoiará e acelerará esse aumento. A pandemia dividiu as empresas em aquelas que entendem a necessidade de transformação digital e aquelas que não entendem. De que lado você está?

AUMENTO DA NECESSIDADE DE UMA FORÇA DE TRABALHO CENTRADA NAS PESSOAS

A automação está se mostrando necessária para que as organizações enfrentem os desafios e restrições econômicas pós-pandemia, mas requer uma abordagem sensível ao funcionário. O aprendizado vitalício, o monitoramento da ansiedade dos funcionários e a determinação de como gerenciar recursos dispersos pós-pandemia são territórios novos para a maioria das empresas. Oferecer oportunidades de educação no local de trabalho e aumentar o conjunto de habilidades transferíveis dos funcionários ajudará as organizações a manter uma mentalidade de crescimento e torná-las adequadas para o futuro do trabalho.

HOME OFFICE: O NOVO NORMAL

A pandemia turbinou a tendência do trabalho remoto e o pêndulo nunca voltará completamente. Reduções de custos de escritório, maior retenção de pessoal, desempenho sólido do trabalhador, menor pegada de CO2 entre outros benefícios são atraentes. As barreiras ao trabalho remoto desapareceram repentinamente e as formas flexíveis de trabalho permanecerão em vigor.

RPA EM ALTA: INVESTIMENTOS AUMENTARAM

31% dos tomadores de decisão pesquisados disseram que suas empresas aumentaram seus gastos com RPA nos últimos três meses. 48% dos entrevistados disseram que vão aumentar seus gastos com RPA em 5% ou mais no próximo ano.

As empresas estão usando o RPA para criar agilidade, diversidade e resiliência em suas operações da cadeia de suprimentos (83%) e para lidar com pressões de custo extraordinárias, usando a automação rápida de back-office e tarefas operacionais (80%) e apoiando negócios remotos (75%).

AUTOATENDIMENTO E CHATBOTS MAIS REAIS DO QUE NUNCA

76% estão expandindo os recursos de autoatendimento e 72% oferecendo suporte adicional para chatbot, benéfico para empresas com recursos técnicos limitados. O objetivo deste foco renovado é obter o maior número possível de consultas respondidas pelos agentes virtuais antes que qualquer chamada ou tíquete de suporte seja entregue a humanos, o que reduz a sobrecarga nas centrais de atendimento e os tempos de espera dos usuários, levando a uma melhor experiência.

COLABORADORES ANSIOSOS E INSEGUROS COM O AVANÇO DA AUTOMAÇÃO

As preocupações pré-pandêmicas dos funcionários sobre a automação de empregos pioraram. Em suma, o impacto da perda de empregos é mais profundo do que nunca. Juntamente com os problemas de saúde pandêmicos e a falta de contato humano no trabalho, as pessoas estão cada vez mais ansiosas. Com a automação avançando em um ritmo tão rápido, 57% dos entrevistados disseram que seus funcionários estão moderadamente ou muito ansiosos em relação à capacidade de ter sucesso em seus empregos.

As organizações que não conseguem lidar com a ansiedade de seus funcionários neste momento de incerteza correm o risco de ter uma força de trabalho desmotivada e despreparada para o futuro do trabalho e correm o risco de perder habilidades valiosas que a automação não pode substituir.

Sessenta por cento dos tomadores de decisão concordaram que fornecer certificações no local de trabalho para habilidades digitais ajuda seus funcionários a lidar com os efeitos potenciais da automação e os prepara para o futuro do trabalho, enquanto 56% disseram que suas empresas estão trabalhando para equipar sua força de trabalho com as habilidades certas para acompanhar a natureza em evolução da tecnologia.

A seguir, as recomendações da Forrester:

  • Use IA para enfrentar os desafios do COVID-19 de frente. Revise seu roteiro de automação de forma proativa. Veja o avanço da colaboração e da tecnologia de automação inteligente como uma oportunidade para aumentar a autoestima do trabalhador e construir pequenas equipes de trabalho inovadoras.
  • Os gerentes preparados para o futuro usam a transformação digital para criar equipes multifuncionais de TI, negócios, operações e ciência de dados. Com uma estrutura mais horizontal, os funcionários reagem às mudanças rapidamente e gastam menos tempo em comunicações complicadas e ineficazes.
  • Reconheça que a automação e a pandemia mudam a forma como trabalhamos e podem levar a novas formas de ansiedade digital. Por exemplo, as pessoas ficam mais felizes no trabalho se estiverem progredindo, mas se a automação não as ajudar, haverá ansiedade.

Veja também: Continuidade dos negócios em meio à pandemia é viabilizada pela automação

Fonte: UiPath

COVID 19: a recuperação será digital

A recuperação do COVID-19 será digital: um plano para os primeiros 90 dias

A rápida migração para as tecnologias digitais impulsionada pela pandemia continuará na recuperação. Veja como acelerar os recursos digitais da sua organização para acompanhar o ritmo.

Para muitas empresas, os clientes já migraram para o digital. Os funcionários já estão trabalhando totalmente remotos. As empresas já lançaram iniciativas de análise e inteligência artificial (IA) em suas operações. As equipes de TI já apresentaram um ritmo que nunca tiveram antes. Porém, para a maioria das empresas, as alterações feitas até o momento representam apenas a primeira fase das mudanças necessárias.

A consultoria global Mckinsey elaborou uma agenda que se concentra em quatro esforços: reorientar e acelerar os investimentos digitais em resposta à evolução das necessidades dos clientes, usar novos dados e IA para melhorar as operações de negócios, modernizar seletivamente os recursos tecnológicos para aumentar a velocidade do desenvolvimento e aumentar a agilidade organizacional para oferecer mais rapidamente. Para cada um, foi esboçado um plano prático de 90 dias, veja a seguir:

1. REORIENTAR OS ESFORÇOS DIGITAIS PARA MUDAR AS EXPECTATIVAS DOS CLIENTES

Muitas empresas estão acelerando suas mudanças em direção aos primeiros modelos digitais – em alta velocidade. Mas não se trata apenas de digitalizar. As empresas também devem reimaginar as jornadas dos clientes para reduzir o atrito, acelerar a mudança para canais digitais e oferecer novos requisitos de segurança.

Nos próximos 90 dias. Os CEOs devem pedir aos líderes de negócios que avaliem como as necessidades e comportamentos de seus clientes mais importantes mudaram e comparem seus canais digitais com os de seus concorrentes. Essas informações devem formar a base de uma agenda digital renovada que não deve demorar mais de 30 dias para ser estabelecida.

Os diretores digitais e os diretores de informação (CIOs) podem rapidamente levantar (ou reorientar) as equipes ágeis para executar as prioridades mais urgentes. Medir continuamente o desempenho do canal digital durante os 90 dias será fundamental para que as empresas possam se adaptar rapidamente à medida que aprendem mais. Considere a possibilidade de criar um fórum semanal para os líderes seniores de negócios e tecnologia para processar os aprendizados recebidos e conduzir a agenda completa em ritmo e de forma coordenada.

2. USE NOVOS DADOS E INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL PARA MELHORAR AS OPERAÇÕES DE NEGÓCIOS

As empresas modernas possuem vários modelos de previsão e planejamento para orientar as decisões operacionais. Esses modelos precisam ser validados ou até mesmo substituídos por conta das enormes mudanças econômicas e estruturais causadas pela pandemia. Por exemplo, modelos que usam dados de séries temporais, preço do petróleo ou desemprego precisarão ser totalmente reconstruídos. Os dados também devem ser reavaliados.

À medida que as empresas constroem esses modelos, as equipes de análise provavelmente precisarão reunir novos conjuntos de dados e usar técnicas avançadas de modelagem para prever a demanda e gerenciar os ativos com sucesso. Um fornecedor de peças automotivas, por exemplo, desenvolveu um modelo de previsão que incorporava dados de terceiros não utilizados anteriormente. O modelo ajudará o fornecedor a identificar possíveis problemas com a capacidade de seus próprios fornecedores de entregar os itens necessários, oferecendo a chance de entrar em contato com seus fornecedores para elaborar a logística ou encontrar outra fonte.

Nos próximos 90 dias. Como primeira etapa, o diretor de análise (ou equivalente) deve mobilizar um esforço para inventariar os principais modelos que suportam operações de negócios e trabalhar com os líderes de negócios para priorizá-los com base em seu impacto nas principais operações e no desvio de eficácia. Essa avaliação é urgente e deve ser concluída o mais rápido possível. Essencialmente, ele definirá um programa de correções rápidas que a equipe de dados e análises poderá realizar, trabalhando lado a lado com os líderes comerciais e funcionais. Depois que a situação se estabilizar, os CEOs e líderes de negócios devem pressionar suas equipes de análise e dados para desenvolver modelos de próxima geração que aproveitem novos conjuntos de dados e técnicas de modelagem mais adequadas para ambientes em rápida mudança. As empresas mais avançadas já estão criando conjuntos de dados sintéticos usando técnicas avançadas de aprendizado de máquina para treinar novos modelos analíticos quando os dados históricos são de pouca utilidade.

Veja também: A continuidade dos negócios em meio à pandemia é viabilizada pela automação

3. MODERNIZAR SELETIVAMENTE OS RECURSOS TECNOLÓGICOS

Os CIOs podem contribuir com o direito de dimensionar a estrutura de custos de TI para novos níveis de demanda e reinvestir os recursos liberados em soluções digitais voltadas para o cliente e em sistemas críticos de suporte a decisões, em primeiro lugar.

Dois recursos de um ambiente de tecnologia moderna são particularmente importantes e podem ser rapidamente implementados: uma plataforma de dados baseada em nuvem e um pipeline de entrega de software automatizado (geralmente chamado de “integração contínua e entrega contínua”). Sem isso, a velocidade de desenvolvimento para e fica atolada em complexidade.

Nos próximos 90 dias. Primeiro, desenvolva o plano para dimensionar e criar uma estrutura de custos mais variável – quanto mais rápido, melhor para liberar recursos para a agenda digital.

No segundo sprint de 30 dias, escolha seus parceiros de nuvem. Embora a velocidade seja essencial, os CIOs devem considerar cuidadosamente as estruturas contratuais oferecidas pelos fornecedores de tecnologia. Lembre-se de lançar esforços internos adequados para treinar e preparar equipes para operar no novo ambiente. A maioria das empresas não terá largura de banda e recursos de gerenciamento para assumir uma modernização em larga escala nos próximos 12 a 18 meses. Ao se concentrarem em configurar ou aprimorar uma plataforma de dados baseada em nuvem e equipar times ágeis com entrega automatizada de software, os CIOs podem duplicar, ou até triplicar, a velocidade de desenvolvimento a curto prazo.

No sprint final, considere recrutar talentos digitais adicionais e acelerar o aumento da qualificação digital de toda a organização. Essas etapas prepararão bem as organizações para uma modernização mais substantiva. Por fim, continue prestando atenção à segurança cibernética. Grande parte do rápido trabalho de TI realizado durante a crise do COVID-19 pode ter criado novas exposições a riscos cibernéticos.

4. AUMENTE A AGILIDADE ORGANIZACIONAL

As empresas que lideraram o caminho na adoção de modelos organizacionais mais simples e totalmente ágeis mostraram melhorias substanciais no ritmo de execução e na produtividade. Isso ocorreu durante a crise, pois vemos uma correlação direta entre a maturidade ágil pré-crise e o tempo que as empresas levaram para lançar um primeiro produto ou serviço relacionado à crise.

O que pode ser feito realisticamente em 90 dias para aumentar o ritmo organizacional? Levantar uma fábrica digital é em grande parte a melhor abordagem no momento, porque pode ser construída e dimensionada em três meses ou menos. Muitas organizações aceleraram e escalaram sua entrega digital estabelecendo essas fábricas internas, com equipes interdisciplinares alinhadas às prioridades digitais das empresas.

O trabalho remoto também pode ajudar as organizações a se movimentarem mais rapidamente, à medida que as empresas exploram novos grupos de trabalho e conhecimento remoto especializado (e, sim, o agile pode ser executado remotamente.) O trabalho remoto também pode permitir novas oportunidades de produtividade.

Nos próximos 90 dias. Durante o primeiro sprint, identifique as áreas de negócios em que a velocidade de execução digital é necessária e mapeie os planos das fábricas digitais para apoiá-las. Paralelamente, avalie onde os modelos de trabalho remoto podem gerar benefícios de produtividade. Essas duas lentes devem definir a tabela para alterações direcionadas ao modelo operacional. No segundo sprint de 30 dias, projete os novos modelos levando em consideração o nível de pessoal, o mix de especialistas, a governança e os procedimentos operacionais. Finalmente, no terceiro mês, implemente e operacionalize os novos designs.

Os líderes que desejam ter sucesso na recuperação digital devem redefinir rapidamente suas agendas digitais para atender às novas necessidades dos clientes, fortalecer seus sistemas de suporte a decisões e ajustar seus modelos organizacionais e legado tecnológico para operar na velocidade mais alta efetiva. É essencial definir essas metas desde o início e medir regularmente o progresso em relação a elas. Atingir a paridade ou melhor nos canais digitais para vencer a corrida da receita, reconstruir os modelos mais críticos de suporte à decisão e dobrar a velocidade de desenvolvimento são objetivos ao seu alcance.

Fonte: Mckinsey

Automação na retomada da pandemia

Continuidade dos negócios em meio à pandemia é viabilizada pela automação

A retomada da economia mundial vem acontecendo lentamente, enquanto isso, ainda em meio à pandemia, empresas do mundo inteiro vêm tentando dar continuidade aos negócios. Não tem sido fácil se reinventar, mas companhias dos mais diversos segmentos de mercado e porte têm redistribuído trabalho e reinventado tanto sua cadeia de suprimentos como o próprio modelo de negócios.

Para conseguir se sobressair nesse cenário imposto pela pandemia, muitas empresas vem apostando em automação. A UiPath, empresa líder mundial em RPA – Robotic Process Automation – observou um aumento significativo da busca por automação por empresas que visam otimizar custos, melhorar a eficiência operacional, mitigar riscos e garantir a continuidade dos negócios.

Automação do Federal Bank

Dentre as empresas que optaram por buscar na automação uma alternativa para encarar o momento, está o Federal Bank, um dos principais bancos do setor privado da Índia, que liberou a maioria dos seus funcionários para o trabalho em modelo home office, por conta da pandemia, mas conseguiu manter os principais processos em execução. O banco já conta com mais de 120 processos automatizados na plataforma UiPath, permitindo que a organização continue fornecendo seus serviços, mesmo durante o bloqueio.

Edgar Garcia, diretor comercial da UiPath, avalia que os sistemas bancários não podem parar e que seria um caos se isso acontecesse, nesse caso a opção por automação foi a melhor saída já que a mão de obra física foi diminuida durante a pandemia.

Garcia destaca que, no Brasil, os bancos também investiram em automação para conseguir suprir o aumento de demanda por crédito ou renegociação de dívidas por exemplo. Mas quando comparamos o grau de automação, o Brasil ainda está no início do processo.

Outras empresas que investiram em automação

Ainda na Índia, a empresa do setor alimentício Gemini Edible Oils investiu em RPA para gerenciar seus contratos e pedidos de vendas, o que possibilitou dar continuidade aos negócios mesmo com desfalque de 70% dos colaboradores trabalhando presencialmente.

Outro exemplo é a empresa de marketing digital Wunderman Thompson MSC que está gerenciando o aumento do volume de comunicação e pedidos de relatórios em tempo real devido ao trabalho remoto com robôs de software.

Já na área da saúde, os robôs de automação têm dado um grande suporte aos trabalhadores da linha de frente, realizando o gerenciamento dos dados de pacientes com a Covid-19.  Além disso, a Plataforma UiPath está ajudando o Departamento de Saúde da Índia a processar dados mais rapidamente, com 100% de precisão, o que agiliza a tomada de decisão por parte do governo, no enfrentamento ao novo coronavírus.

Em conclusão, Garcia avalia que “Muitas companhias, em meio à pandemia, perceberam o valor da automação para conseguirem ingressar no que se tem chamado de ‘novo normal’, mas certamente vão ver na automação a melhor forma de alcançarem a eficiência operacional, diminuírem riscos e terem seus funcionários atuando em posições de fato estratégicas para o negócio seja em um cenário de crise mundial ou não”.

Quer colocar em prática seus projetos de automação? A NextTrends é distribuidora certificada nas soluções UiPath e outras líderes de mercado. Oferecemos desde o mapeamento e diagnóstico até a implementação e gestão de seus robôs. Fale com a gente!

Veja também: O que é Hiperautomação e por que sua empresa precisa prestar atenção nisso?

Fonte: Technotec

O que é Hiperautomação

O que é Hiperautomação e por que sua empresa precisa prestar atenção nisso?

Por Mário Neto*

A consultoria Gartner publicou no final de 2019 um relatório sobre as tendências tecnológicas para 2020 e, em primeiro lugar, está o termo Hiperautomação (Hyperautomation). Mas o que é Hiperautomação e por que as empresas precisam prestar atenção nisso?

Antes da definição, é preciso entender que o uso da tecnologia deve estar focado nas pessoas (People-Centric), já que a tecnologia impacta diretamente consumidores, empregados, parceiros e, de forma geral, a sociedade. E, por ser centrada em pessoas, a tecnologia deve e pode assumir grande parte das tarefas de trabalho e/ou operacionais. O caminho para isso é a Hiperautomação.

Hiperautomação é a combinação de tecnologias e conhecimentos que as empresas precisam para tornar o processo de trabalho automatizado, totalmente voltado para tornar o modelo do negócio ágil como ele deve ser. O termo engloba as ferramentas, métodos e a própria automação, desde o momento do descobrimento do processo, passando pela análise, design, automação, medição de desempenho, monitoramento e, quando preciso, reavaliação.

Um conjunto híbrido entre ferramentas de automação de processos (RPA), machine learning, inteligência artificial e iBPMS (ferramentas de gerenciamento de processos de negócios inteligentes, como o Enate, por exemplo) permite que o processo de entender e desenvolver automações atenda às reais necessidades do modelo de negócio e traga mais valor e resultado para a empresa.

Veja também: Como a RPA está evoluindo com a IA em cinco etapas

É importante notar que Machine Learning e Inteligência Artificial são essenciais para a Hiperautomação, já que muitas vezes a automação por si só não é capaz de solucionar os problemas durante o processo a ser automatizado, muitas vezes complexos e precisando de adaptação a comportamentos diferenciados.

Ao usar as ferramentas da Hiperautomação a empresa acaba se tornando cada vez mais focada nos modelos e, por isso, é importante que o processo de descobrimento, design e desenvolvimento leve em conta também ferramentas de aprimoramento da qualidade do processo, como, por exemplo, Lean Six Sigma.

O recado do relatório da Gartner é que a Hiperautomação é inevitável e as organizações vão precisar identificar e automatizar todos os possíveis processos de negócio, de forma ágil, usando as ferramentas certas, tornando as operações e processo ágeis para poder competir em um mercado cada vez mais focado em facilitar e entender as pessoas.

*Mário Neto é Data Engineer e especialista em RPA na NextTrends

Clique aqui para ver o artigo publicado originalmente no portal Terra

ebook 10 métricas rpa

Democratização da tecnologia

A democratização da tecnologia

A onipresença da tecnologia nas sociedades mais avançadas do mundo é impressionante. Aliás, estamos tão mergulhados nela, que na verdade nem pensamos mais nela como sendo tão extraordinária assim, desde que funcione. E nada nos enfurece mais do que a tecnologia não funcionar – o que é raro. Ela se tornou tamanha parte da vida que não imaginamos mais a vida sem tecnologia.

Com o recente escrutínio de companhias como Facebook, Google e outras em relação a como nossas informações pessoais são protegidas, talvez até tenhamos breves momentos de hesitação, mas, em poucos segundos, fazemos as pazes com a tecnologia.

As tecnologias que fazem os negócios terem um desempenho melhor são igualmente impressionantes, pois tornam muito mais coisas acessíveis para nós do que nunca. Precisa de uma carona para algum lugar e não quer se preocupar com um carro? Uma viagem compartilhada está a minutos de distância, com o tipo de confiabilidade que nos dá uma sensação ainda maior de sermos donos de nossos direitos. Se você tiver algum problema com o serviço de carona, e aqui o “se” é grande, até isso é resolvido pelo telefone, quase sempre sem precisar falar com um ser humano. Sem falha.

Um novo ambiente de negócios

Estamos presenciando o início de uma era em que a tecnologia não só torna a vida de consumidores e gamers uma maravilha, mas também faz as empresas que proveem as coisas que compramos operarem com muito mais efetividade e lucratividade.

Não haveria momento melhor para isso acontecer. Companhias como Uber, Amazon e outras, agora chamadas de “empresas nativas digitais”, mudaram nossas expectativas em todas as áreas. Se você não tiver as vantagens tecnológicas das nativas digitais, boa sorte para concorrer com elas. Você será o que agora é conhecido como “empresa legada”.

Se continuar sendo uma empresa legada, seus dias estão contados. O tempo está correndo e, a cada segundo que passa, uma empresa nativa digital ocupa seu espaço se você não estiver proporcionando a sua empresa o tipo de brilhantismo digital que a tecnologia propicia.

Veja também: Inteligência artificial avança e facilita progresso em empresas, indústrias e escolas

Ainda assim, mesmo com todos os sistemas integrados de gestão empresarial (ERP, na sigla em inglês) já implantados, as empresas legadas hoje empregam milhões de pessoas sentadas lado a lado, fileira atrás de fileira, realizando manualmente processos empresariais antiquados, com incursões desesperadas para ficarem mais parecidas com as empresas nativas digitais.

A promessa da tecnologia

Os saltos de inovação tecnológica em áreas como IA, computação na nuvem e robótica de software são poderosos fatores democratizantes nos negócios, permitindo que as empresas escalem os processos mais rápido do que nunca e reduzindo barreiras como infraestrutura ou custo.

Hoje, com chatbots e recomendações inteligentes habilitadas por IA, mesmo startups enxutas podem oferecer experiências personalizadas e atendimento excepcional ao cliente para construir relacionamentos mais profundos com seus clientes.

No entanto, o poder da tecnologia vai muito além de como as empresas atraem usuários e os mantêm satisfeitos. O que é mais empolgante para mim é a total transformação de como os humanos trabalham.

A proliferação do smartphone e a ascensão da nuvem engatilharam o “Futuro do Trabalho”, desamarrando os seres humanos de suas mesas e criando novos níveis de flexibilidade de trabalho. Agora, bots de software estão trazendo o “Futuro do Trabalho 2.0”, uma era em que os trabalhadores humanos são liberados das linhas de montagem do escritório administrativo – não mais condenados a trabalhos que não exigem imaginação e não dão nenhum sentimento de realização ou propósito real.

Esta é a verdadeira promessa da tecnologia: de que libertar a humanidade é o bem maior da tecnologia e de que nosso mundo se torne um lugar onde as pessoas não sejam condenadas a serem robôs.

Pense assim: o envelhecimento da força de trabalho no Japão e na maioria dos países europeus está forçando as organizações a reavaliar o valor de seus empregados. Muitos acreditam que o impacto do envelhecimento da força de trabalho nos EUA recairá sobre nós nos próximos dois ou três anos.

Quando cada trabalhador é importante, como líder empresarial você precisa decidir onde deve estar o foco de seu pessoal. Esse foco será no que os seres humanos fazem melhor – criatividade, colaboração, direcionar o que aparentemente é intangível para a solução de nossos desafios mais difíceis?

Rompendo as antigas amarras

E então, está pronto para evoluir? Automatizar processos empresariais que já podem ser automatizados deve ser seu maior objetivo. O primeiro passo é verificar a situação de sua transformação digital e o quanto muitos de seus processos corporativos estão baseados em tecnologia legada. A maioria das empresas não está nem perto de onde acha que está nessa jornada. Como seus funcionários estão usando (ou desperdiçando) o tempo? Quais são seus principais pontos fracos?

A transição não ocorrerá da noite para o dia, e tudo bem fazer a mudança gradativamente. Considere começar com um projeto piloto, como automatizar um pequeno número de processos de folha de pagamento ou testar um novo sistema de CRM.

A tecnologia também é um ótimo equalizador quando se trata da experiência e da expertise de “especialistas”. A hierarquia pode ser inimiga do progresso. Abrace a cultura de inovação e estimule colaboradores de todos os níveis a apresentar novos processos e ideias.

Quando a tecnologia é criada por pessoas, para pessoas, seu maior propósito não é apenas melhorar o desempenho do negócio. Ela precisa melhorar a vida das pessoas. Precisa ajudar a criar um mundo no qual as pessoas prosperem. No qual o intelecto humano voe. No qual a capacidade humana de fazer o espetacular se torne mais possível do que em qualquer outra época da história.

Este deve ser o estado democrático da tecnologia.

Por Mihir Shukla, CEO e cofundador da Automation Anywhere

Fonte: TI Inside

): Inteligência artificial avança e facilita progresso em empresas, indústrias e escolas

Inteligência artificial avança e facilita progresso em empresas, indústrias e escolas

Para quem acompanha o mundo da tecnologia, falar sobre Inteligência Artificial, Machine Learning, robotização de processos é algo comum, um conceito já bastante familiar e que nós da NextTrends sempre abordamos por aqui, afinal esse é o nosso DNA. Mas quando o assunto vai parar nas televisões de nossas casas, em rede nacional, é que percebemos o quanto relevante e presente ele se tornou em nosso dia a dia – saindo dos escritórios para a nossa vida real.

O Jornal Nacional, da TV Globo, produziu uma série de três reportagens que mostram exemplos de como os computadores substituíram seres humanos em atividades que exigem tomada de decisão.

“A interação humana, essa do olho no olho e da troca de empatia com o outro, é desafiada por uma invenção da humanidade: a máquina treinada para pensar como os seres humanos, mas que olha a vida de outro jeito. Os robôs foram tirados da ficção científica e trazidos para o mundo real. Alguns são chamados humanóides, projetos ainda bem distantes de seres humanos”, diz a reportagem inaugural.

“O cérebro artificial é como um programa de computador, só que faz tarefas associadas a humanos. Ele usa o algoritmo, uma fórmula matemática para resolver problemas. E a máquina aprende a tomar decisões inteligentes com os dados fornecidos”, cita outro trecho da matéria.

A repórter mostra inúmeros exemplos de adoção da Inteligência Artificial, como na aviação, na sala de aula, na indústria da moda. Veja que interessante: https://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2019/10/07/inteligencia-artificial-avanca-e-facilita-progresso-em-empresas-industrias-e-escolas.ghtml

NextTrends fecha parceria inédita com Enate para orquestração de trabalho humano e digital

A NextTrends fechou uma parceria inédita com a empresa britânica Enate, que oferece uma plataforma para orquestrar a força de trabalho humana e digital em um só lugar. Com a parceria, a Enate marca sua estreia no mercado brasileiro e vem preencher um gap ocasionado pela evolução exponencial da automação. Confira a matéria publicada pela Revista Exame:

Orquestrar a força de trabalho humana e digital é novo desafio com avanço do RPA

Agilidade, eficiência, redução de custos, produtividade, controle e governança: esses são benefícios já amplamente conhecidos da Automação de Processos Robotizados (RPA na sigla em inglês) que, diariamente, levam organizações ao redor do mundo a transferir seus processos funcionais e cognitivos repetitivos para máquinas. Segundo a consultoria Gartner, a receita de software de RPA cresceu mais de 63% no último ano. Já uma pesquisa do Fórum Econômico Mundial diz que até 2025 os robôs devem estar presentes até mesmo nos conselhos administrativos de grandes empresas. À medida que a automação escala, um novo desafio se apresenta: a necessidade inexorável de gerenciar força de trabalho humana e digital, que podem ser necessárias em diferentes momentos dos processos de negócio.

Para resolver esse desafio, a NextTrends, empresa que atua em projetos de Data Intelligence, BI, Robotização, Inteligência Artificial e Dashboards, acaba de anunciar uma nova parceria com a Enate, empresa global com sede no Reino Unido que oferece uma plataforma de orquestração de serviço independente, projetada para gerenciar a força de trabalho digital e humana em um só lugar. Com a NextTrends, a Enate marca sua estreia no mercado brasileiro.

“Trazer a Enate para o Brasil é um grande passo que estamos dando para atender nossos clientes em suas necessidades mais atuais, oferecendo tecnologia de última geração e confiabilidade, características da Enate reconhecidas mundialmente. Com esta nova solução em nosso portfólio possibilitamos que as empresas escalem seus sistemas automatizados e simplifiquem seus processos de ponta a ponta, não mais de maneira isolada, cobrindo os gaps e incluindo de fato o que elas têm de maior valor: as capacidades humanas”, diz Ricardo Rego, Diretor Executivo da NextTrends.

A plataforma Enate combina funcionalidades como gerenciamento de tickets, gerenciamento de casos, gerenciamento de trabalho e capacidade e recursos de fluxo de trabalho, juntamente com relatórios de desempenho apresentados via dashboards em tempo real. Trata-se de uma plataforma aberta com rápida implementação, na modalidade SaaS (Software como Serviço), que permite introduzir novas tecnologias facilmente. A proposta é transformar negócios em qualquer estágio de automação: força de trabalho humana, híbrida, automação de processos robóticos (RPA), ou usando novas tecnologias como Inteligência Artificial (IA).

“O mercado de tecnologia é extremamente dinâmico e ter essa capacidade de acompanhar as mudanças na velocidade que elas acontecem é o grande diferencial da NextTrends. Estamos muito felizes em tê-la em nosso ecossistema de parceiros, que reúne uma comunidade única com conhecimento e know how do setor. Juntos somamos forças para aproveitar todas as oportunidades que o Brasil oferece”, conclui Jane Youdell, Chefe de Parcerias da Enate.

Veja também: Como o RPA está evoluindo com a IA: em 5 etapas

Fonte: Revista Exame

Microsserviços + RPA: você vai querer pegar este atalho

A expressão “tempo é dinheiro” nunca soou tão verdadeira como agora. Hoje não dá para perder muito tempo para lançar uma aplicação, um produto ou um serviço novo no mercado, a concorrência te engole antes! Mas como ser mais ágil e eficaz? Sabe aquela velha história (não tão velha assim) de fatiar entregas que as metodologias ágeis têm como base? Ela funciona! Os microsserviços seguem mais ou menos essa linha. E podem ser o pulo do gato para a transformação digital da sua empresa, permitindo que você aproveite as novas tendências: Inteligência Artificial, Machine Learning, Robotização de Processos (RPA), entre outras.

Microsserviços são uma abordagem de arquitetura que decompõe uma aplicação por funções básicas. Cada função é chamada de serviço (por isso o nome!) e pode ser criada e implantada de maneira independente. O que isso significa em termos práticos? Significa que cada serviço individual pode funcionar ou falhar sem comprometer os demais. Assim, as aplicações podem ser desenvolvidas, testadas e implantadas mais facilmente. A técnica simplifica a interface com sistemas legados e viabiliza o acesso a dados em tempo real, além de facilitar a integração com empresas parceiras. Este é o atalho!

A arquitetura de microsserviços abrange a ideia de API – Interface de Programação de Aplicativos (nós falamos sobre ela aqui), ideal para habilitar o suporte de um aplicativo para uma diversidade de plataformas, seja na web, no celular ou até em objetos dotados de Inteligência Artificial. E o que isso quer dizer? Que ficou muito mais fácil e acessível (inclusive financeiramente) adotar as mais novas tecnologias para atingir seus objetivos de negócio!

A NextTrends, por exemplo, trabalha com arquitetura de microsserviços para o desenvolvimento de robôs que tornem possível automatizar com inteligência suas consultas a dados e seus processos (RPA). Plug and play – fácil e rápido de integrar com suas soluções e sistemas. A cobrança pode ser feita por chamada a cada API, com um preço que cai conforme o volume.

Ainda não se convenceu? Pense bem, o motorista que recebe um chamado pelo aplicativo não vê sentido em digitar o endereço no assistente de rotas. A opção de check-in pela internet libera viajantes de enfrentar longas filas em aeroportos. Pacientes preferem agendar consultas via web, do que ligar pessoalmente. Enfim, muitas vezes, a automação está nos detalhes e faz todo mundo ganhar tempo. Ainda assim, milhares de profissionais continuam gastando horas com Alt+tab e Crtl+C/Crtl+V, transferindo informações de um sistema a outro ou pesquisando/validando dados cadastrais, por exemplo. Faz sentido?

Quem se estabelecer sobre arquiteturas de nuvem, microsserviços e outros padrões criados para interoperar levará vantagem. É só uma questão de escolha.

API’s Economy: seu novo driver de negócios

Em 2017, a revista Forbes declarou o “Ano da economia da API”. Desde então, o assunto ocupa posição privilegiada dentro das estratégias de transformação digital das empresas. E o que você ou sua empresa tem a ver com isso? Por que é importante entender o que são APIs? Quais os benefícios práticos? Interessa mesmo para quem não é da área de TI? Vamos responder a todas estas perguntas aqui, neste post!

Para começo de conversa, vamos falar sobre o que é uma API. Tecnicamente, API é a sigla de Application Program Interface, que nada mais é do que um conjunto de rotinas, protocolos e ferramentas que conectam um software a outro. Traduzindo, as APIs permitem que dois softwares conversem entre si, ainda que eles tenham sido desenvolvidos com tecnologias e linguagens diferentes. É como uma “ponte” que liga as duas pontas: seus serviços internos a seus consumidores de serviços externos.

São vários os exemplos (e talvez você nem imagine o quanto faz parte deste mundo!). Olha só, quando você acessa um site e se depara com o mapa do Google indicando a localização da empresa, isso é uma API. Sabe as milhas que você acumula no cartão de crédito? São APIs. A consulta de CEP no Mercado Livre para cálculo de frete ou para validar se o endereço de entrega existe. Adivinha? APIs! A pesquisa por hotéis no Tripadvisor, por passagens aéreas no Decolar, melhores preços no Buscapé….uma infinidade de conexões ao seu redor e você nem tinha se dado conta.

Todos esses exemplos geram lucro para as empresas envolvidas e foi isso o que a Forbes quis dizer quando utilizou a expressão “API’s Economy”. Não se trata mais de uma ferramenta técnica que interessa somente a desenvolvedores, mas sim de uma fonte de valor estratégico na economia digital atual, que permite reunir parceiros de ecossistema.

Com as APIs você consegue ter acesso a diversos dados, como o histórico de residência de seu consumidor, suas atividades nas redes sociais, sua carteira de motorista, seu CPF, informações bancárias e muito mais. Como? Conectando o seu sistema com bases de instituições como Detran, Receita Federal, Febraban entre outras. Por isso, estrategistas, líderes de marketing e executivos de parcerias que buscam alcançar um novo nível de diferenciação de mercado passaram a se interessar pelo assunto.

Big Data Analytics: veja como a análise inteligente de grandes volumes de dados pode trazer informações valiosas para o seu negócio

O aumento de demanda por interação móvel faz da internet uma plataforma de relacionamento carregada de dados, dados que podem ser captados pelas empresas por meio de APIs e transformados em valor, seja na forma de um produto específico, seja na forma de conhecimento para ativar um outro produto.

De acordo com o estudo Evolution of the API economy, da IBM, quase 70% das companhias estão buscando aumentar suas parcerias externas e voltando-se para as APIs para ajudar a criar essas pontes para outras organizações e desbloquear os dados e recursos exclusivos de cada parceiro.

Outra vantagem é que as APIs permitem que empresas de todos os portes utilizem serviços até então considerados inacessíveis, caros e complexos para se desenvolver internamente, como a computação cognitiva e a Internet das Coisas (IoT), também citados no estudo da IBM. Isso acelera o seu processo de inovação.

Saiba mais como podemos ajudá-lo na busca por dados e na integração com outras fontes.

pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese